sábado, 28 de novembro de 2015

Sonetos - A saga de um andarilho pelas estrelas

Autor: Jean Pires de Azevedo Gonçalves



Andarilho da estrela cintilante
Por onde está sozinho em pensamento,
Fugindo dessa terra de tormento,
Sem paradeiro certo, triste errante?


E procurar o que no firmamento,
Que aqui não encontrou sonho distante
Nenhum outro arrojado viajante?
Volta! Nada se perde com o tempo...


“Felicidade quis, sim, encontrar
Nesse vasto universo, de numerosas,
Infinitas estrelas, não hei de errar!


Mas ilusão desfez-se em nebulosas,
Tão longe descobri tarde demais:
Meu amor deste lugar partiu jamais!”


Num foguete Andarilho da alvorada
Vai voando viajante espacial,
Pássaro reluzente de metal,
Cruza o céu Valentina corajosa.


Adereços de luzes de cristal
Enfeitam minha nave portentosa,
Pioneira a conquistar Lua dourada
Destronando reinado celestial.


E navega altaneira cosmonauta,
Lá de cima olha a Terra solitária,
Trilha por via de estrelas muito alta,


Costurando crateras, a operária,
Na fábrica de utopias estelares.
Pois sonhar é preciso, nestes mares...


Acorda, ó Andarilho, acord’acorda!
Um passarinho lírico pi’assim
O despertador trina trintrintrim
O tempo é carrossel que rodarroda


Sonhos são feitos de pó pirlimpimpim
Vida-é-vivida pelo mundo-afora
Mas a saudade nunca vai s’embora
É um reviver que gir’assinsenfim!


O Sol fabrica só a hora que brilha
E alegria é correr no meio da chuva
Quando vem vento sabor de baunilha.


Chega a noite crescente – sorri a Lua
Volta atômica Mab, fada do sono
Amanhã recomeça o mesmo novo.


Sou Andarilho, vagando na cidade,
Pelas ruas, estou sempre de passagem;
Sigo a Via Láctea atrás de uma miragem:
Encontrei nas Estrelas liberdade.


A minha vida tenho na bagagem
Não conheço o que é necessidade
Nada levo senão muita saudade
Do que deixei pra trás nessa viagem.


À noite a lua ilumina o caminho,
Perseguindo meus passos. E vou e passo;
Nunca sei onde vai dar o meu destino.


Quem sabe, nos afagos de um abraço,
Existe no Universo uma pousada,
Muito longe, no fim desta estrada?



Quem sabe do Andarilho das Estrelas?
Por aqui costumava caminhar,
Imaginando estórias pra contar
Com jeito extravagante de dizê-las.


Pelos campos, sonhava estar no mar,
Na quietude de flores bem vermelhas
Zanzava como fazem as abelhas
E a doce liberdade era o seu lar.


Notícias não se têm faz tanto tempo
Do aventureiro nômade celeste,
Que ia para onde apontava um cata-vento.


Não foi para oeste, norte, sul ou leste
Em que aventura encontra-se afinal?
Dizem que está no espaço sideral...


Assim como náufrago solitário,
Perdido à deriva no Oceano,
O reino de Netuno soberano,
Entre a constelação de Sagitário


E algum ponto no espaço sobre Urano.
Sem rumo, muito além do planetário,
Forasteiro, num mundo imaginário,
Um Andarilho se perde em desengano.

Será uma ilha distante no horizonte
Ou trirreme trazendo esperança?
Argonautas que vêm de muito longe

Oferecer refúgio nessa andança.
Avistar terra firme, tão querida,
E o desejo aportar por toda vida.

Bem de noite, trabalha o Andarilho,
Incansável obreiro: sonhador.
É mestre o solitário agrimensor
No ofício de mensurar o infinito.

Desconhecido o mundo interior,
Desbravado e por ele foi medido.
Na oficina assobia um estribilho,
Mapeando quimeras com rigor.

Na divisa indistinta da paixão,
A fantasia é linha imaginária
Que demarca loucura da razão.

Em terra sem utopias, tu és pária,
Vivendo na fronteira da verdade,
Teimas sempre inventar realidade.

Por onde vai, Andarilho, o seu andar
Que assim nunca termina
A sua sina
De partir, de fugir, e não parar

Por onde vai o caminho da sua vida
De sorrir, de gostar
E não chorar
Que assim nunca entristece árdua lida

Entre emenda e remendos (nada certo):
Viver feliz sem métrica
Nem rima

Sem luz elétrica
E o mundo por um triz...
A vida é um soneto descompleto.


Nenhum comentário:

Postar um comentário